quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

0

Grandes Observatórios Astronómicos





A série de Grandes Observatórios Espaciais da NASA, agência espacial norte-americana, consistiam em um grupo de quatro grandes telescópios, baseados no espaço. O projecto designa-se, em língua inglesa, por Great Observatories Program.
Cada um dos observatórios tinha ou tem um tamanho e um custo semelhantes e cada um fez uma contribuição substancial à astronomia. Cada telescópio procurou focar uma determinada faixa do espectro eletromagnético, a fim de obter uma análise mais precisa e mais profunda de cada espectro e desta forma melhor entender como o Universo nasceu e como ele se desenvolve.
Assim por várias ocasiões, um mesmo corpo celeste foi observado por distintos telescópios, obtendo uma visão mais profunda de dado corpo celeste.

Hubble 01.jpg


Hubble

O Telescópio espacial Hubble (Hubble Space Telescope (HST)), foi anteriormente denominado de Space Telescope (ST). Destina-se a observar preferencialmente a luz visível e a luz ultravioleta. Foi o primeiro telescópio a ser lançado, em 24 de abril de 1990.
Recebeu a visita de um Ônibus Espacial em 1993 que o consertou de algumas falhas de projeto, recuperando-o completamente. Recebeu uma nova visita de manutenção em 1997, onde foram instalados novos equipamentos que lhe deram maiores capacidades de observações, como poder observar a luz ultravioleta e ondas próximas ao infravermelho.

Gro impression.gif

Compton

O Observatório de raios Gama Compton (Compton Gamma Ray Observatory - CGRO) foi chamado anteriormente de Gamma Ray Observatory (GRO).
Destinava-se a observar preferencialmente a radiação gama e podia registrar os mais violentos processos físicos do Universo. Foi o segundo telescópio a ser lançado, em 5 de abril de 1991.

Chandra X-ray Observatory.jpg


Chandra

O Observatório de raios-X Chandra (Chandra X-ray Observatory - CXO) foi anteriormente denominado de Advanced X-ray Astronomical Facility (AXAF).
Destina-se a observar principalmente a radiação de raio-X, observando principalmente os buracos-negros, quasares e gases em alta temperatura. Foi o terceiro telescópio a ser lançado, em 23 de julho de 1999.

Spitzer space telescope.jpg


Spitzer

O Telescópio espacial Spitzer (Spitzer Space Telescope - SST) foi chamado anteriormente de Space Infra-red Telescope Facility (SIRTF).
Destina-se a observar preferencialmente a radiação infravermelha, destacou-se em poder observar um comprimento de onda que não chega aos telescópios situados na Terra, devido a sua absorção pela atmosfera terrestre. Foi o quarto telescópio a ser lançado, em 25 de agosto de 2003.

Estado do Programa

De todos estes satélites, somente o Compton não está operacional. Um dos seus giroscópios falhou e a NASA optou por lançá-lo contra a atmosfera, de forma segura, em 4 de junho de 2000. A NASA divulgou oficialmente que vai futuramente desativar o Hubble, mas, em maio de 2009, uma missão tripulada do ônibus espacial Atlantis, comandada pelo astronauta Scott Altman, realizou uma manutenção em seus equipamentos e troca de outros que lhe deu uma sobrevida de mais 4 ou 5 anos.

Spitzer era único dos Grandes Observatórios que não foi lançado a bordo de um Ônibus Espacial. Pretendeu-se originalmente utilizá-lo, mas devido ao desastre da Columbia, optou-se por utilizar o foguete Delta II, que o colocou em uma órbita heliocêntrica.

James Webb Space Telescope

O James Webb Space Telescope ou JWST é um projeto de um telescópio espacial com a finalidade de captar radiação infravermelha.Substituirá o Hubble em 2013. O telescópio deverá observar a formação das primeiras galáxias e estrelas, estudar a evolução das galáxias, ver a produção dos elementos pelas estrelas e ver os processos de formação das estrelas e dos planetas.

Constellation-X

Constellation-X é o projeto de um Telescópio Espacial de raios-x operado pela NASA.Ele abre uma nova janela sobre os raios-x para a astrofísica, pois consegue ver muito bem buracos negros super massivos, e em consequência disso, faz filmes da órbita dos buracos negros e talvez além do Horizonte de eventos.

GLAST

O Gamma-ray Large Area Space Telescope, ou GLAST, é um futuro telescópio espacial de raios-gama, designado a explorar a energia do universo. Ele estudará fenômenos astrofísicos e cosmológicos nos núcleos das galáxias, pulsares e outras fontes de alta energia, e também matéria escura. GLAST é uma cooperação entre NASA e o Departamento Estadunidense de Energia, incluindo algum suporte de outras organizações internacionais. Seu lançamento está previsto para 14 de Dezembro de 2007 em um foguete Delta-7920H-10C.

INTEGRAL

O INTErnational Gamma-Ray Astrophysics Laboratory(INTEGRAL) é um telescópio com a finalidade de detectar parte da radiação energética que é emitida no espaço. É o mais sensível detector de raios-gama já lançado. O INTEGRAL é uma missão da ESA com a cooperação da Agência Espacial Russa e a NASA. O telescópio foi um sucesso. Por exemplo: ao detectar um misterioso quasar.Também foi um sucesso em investigar origens de raios-gama e detectar evidências de buracos negros.

Fonte:
Wikipédia, a enciclopédia livre.
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Múmia descoberta no Peru pode mesmo ser alienígena

Documento Oficial relatos 25 anos antes do caso ET de Varginha

Sunrise Time-lapse from the International Space Station (ISS)



Linda imagem da Estação Espacial !!!

Peruíbe, no litoral de São Paulo, seria alvo frequente de 'ovnis'

Ufólogos de diversos cantos do país visitam a cidade que possui inúmeros relatos de aparições de objetos voadores não identificados (ovnis). Alguns cientistas têm explicações para o fato de a cidade 'atrair supostos ETs'. Fonte: http://mais.uol.com.br/view/dsirb7h509tj/peruibe-no-litoral-de-sao-paulo-seria-alvo-frequente-de-ovnis-0402CD1C3466D4B15326?types=A&

Visão abordo Estação Espacial Internacional - NASA