domingo, 26 de agosto de 2012

0

PAAB: Física Fundamental para benefício da vida na Terra, no Espaço



The Atlas V payload fairing containing the RBSP spacecraft is lifted at Space Launch Complex-41


Circundando o equador da Terra são dois anéis concêntricos, largas de alta intensidade partículas conhecidas como cinturões de radiação de Van Allen. Esta dinâmica alterações de região em resposta ao sol, com o potencial de afetar satélites GPS, televisão por satélite e muito mais.Radiação da NASA Correia Sondas de tempestade (PAAB) missão pretende estudar este ambiente em constante mudança em maior detalhe do que nunca.

"Nós vivemos na atmosfera do sol. Então, quando o sol se espirra, a Terra pega um resfriado", explicou Nicky Fox, vice-cientista do projeto da Johns Hopkins University Applied Physics Laboratory (APL), em Laurel, Md. "Então o que está acontecendo sobre o sol, a Terra vai se sentir um efeito e irá responder a esse clima espacial mudando. "A missão tem quase idênticos sondas gêmeas, cada um carregando uma série de instrumentos avançados para ajudar os cientistas a monitorar e caracterizar as alterações dentro dos cinturões de radiação.

"A radiação Sondas tempestade Correia vai dar-nos uma melhor compreensão de como os cinturões de radiação realmente funcionar, e nos permite fazer um trabalho melhor de prever e proteger contra a radiação que está lá em cima no futuro", disse Mission Systems Engineer Jim Stratton, também do APL.A missão PAAB é parte da vida da NASA com um programa de Star, que é gerenciado pela agência Goddard Space Flight Center em Greenbelt, Maryland A equipe APL construiu a nave espacial PAAB e irá gerir a missão de dois anos para a NASA.

A descoberta dos cinturões de radiação remonta ao alvorecer da era espacial. A sua existência foi detectada em 1958 por um contador Geiger na primeira nave espacial da NASA, o Explorer 1, construído por James Van Allen e sua equipe da Universidade de Iowa.Agora, mais de meio século depois, PAAB embala um conjunto abrangente de instrumentos concebidos para olhar não apenas as partículas dentro dos cinturões de radiação, mas também as ondas de plasma, campos elétricos e campos magnéticos que transporte e orientar essas partículas.

A missão precisava de duas sondas, Fox explicou, porque os cientistas querem ser capazes de distinguir aspectos transitórios daqueles que estão lá por um longo período, ou pode estar mudando."Se você imaginar ter duas bóias no oceano, e um sobe e desce de novo, você não sabe nada sobre o que causou que ir para cima e para baixo", Fox disse. "Se os dois ir para cima, então você sabe que você tem um recurso muito grande que está a afectar os dois ao mesmo tempo. Se um sobe, o outro sobe, você pode medir a velocidade que a onda tem viajou entre eles, e que direção ele está indo para. E se apenas um sobe e desce de novo, então você tem uma característica muito, muito localizada que não viajar para qualquer lugar.

"Portanto, a fim de ser capaz de realmente entender o que está acontecendo, esses recursos muito fina escala nos cinturões de radiação nossos, temos duas espaçonaves para fazer isso", disse ela.As sondas de oito lados pesar mais de 1.400 quilos cada e medir cerca de seis metros de largura por três metros de altura. Mas os sensores elétricos e magnéticos campos se estendem para fora nas barreiras que a distância desses instrumentos da vizinhança imediata da nave, o que poderia gerar seus próprios campos elétricos e magnéticos. Filtros de dados e proteção de metal na eletrônica espaçonaves oferecer prevenção adicional contra interferências, bem como a protecção do ambiente intensa as sondas encontram diariamente.

"Definitivamente, o maior desafio que enfrentamos é o ambiente de radiação que as sondas vão estar voando através", disse Stratton. "A maioria espaçonave tentar evitar os cinturões de radiação - e nós vamos estar voando para a direita através do coração deles."PAAB está lançando no tentou-e-verdadeiro Atlas V construído pela United Launch Alliance."A Nasa tem um excelente histórico com o foguete Atlas V. Como uma questão de fato, estamos 100 por cento, seis para seis, o lançamento no Atlas V," disse Tim Dunn, PAAB diretor de lançamento da NASA para o Programa de Serviços de Lançamento (LSP). "Nós iniciamos missões a Júpiter, Plutão, o sol, a lua, e duas missões a Marte."Baseado no Kennedy Space Center da NASA na Flórida, LSP foi envolvido em pré-lançamento de planejamento para a missão PAAB por vários anos.

"A equipe vem se preparando no total por cerca de seis anos para a missão PAAB. Cedo O planejamento começou há muito tempo, de volta sobre o calendário de 2006. A equipe principal veio em hora de adjudicação do contrato em março de 2009", disse Dunn . "Então, estamos muito fortemente envolvido com PAAB nos últimos três anos."Rex Engelhardt, gerente LSP missão para PAAB, vem trabalhando no projeto desde 2006. Ele indicou que garantir a separação das duas naves do estágio Centaur superior, após o lançamento, exigido uma atenção extra. As sondas serão implantados um a um em órbitas separadas, de modo que o Centauro vai girar, implantar a primeira sonda, parar a sua rotação, e depois virar para apontar a segunda sonda para a sua órbita.

"Então você tem que apontá-lo na direção certa, girá-lo de volta novamente, separar o segundo (sonda), então você tem que girar o Centauro para baixo novamente, e em silêncio se afastar", disse Engelhardt.Uma vez que as sondas são colocadas em suas órbitas próprias, eles vão passar por um período de dois meses "período de comissionamento." Isto oferece a abundância equipe de hora de estender as rampas de instrumentação, confira as sondas de saúde e segurança, e garantir os eletrônicos estão funcionando."Depois de lançar, depois de passar os ambientes de lançamento e quando você está lá em cima no ambiente espacial, você quer ter certeza que tudo está funcionando perfeitamente", disse Stratton. "Então, que leva cerca de 60 dias após o lançamento, e depois nós vamos começar a nossa missão principal, logo que o período de comissionamento é feito."

De acordo com Fox, os dados da missão PAAB permitirá aos cientistas melhorar dramaticamente os modelos atuais de como a radiação de forma cintos e alteração na resposta ao sol."Isso é importante porque nos permitirá projetar melhor nave espacial, nós vamos ser capazes de protegê-los melhor e também não vai fazer overdesign caro", Fox explicou. "Isso vai nos ajudar a proteger os astronautas que estão fora da órbita da Terra, e que irá beneficiar a comunidade científica, dando-nos muito mais informações sobre a física de partículas fundamentais."

Matéria publicada pelo Site Nasa 
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Documento Oficial relatos 25 anos antes do caso ET de Varginha

Sunrise Time-lapse from the International Space Station (ISS)



Linda imagem da Estação Espacial !!!

Visão abordo Estação Espacial Internacional - NASA