terça-feira, 18 de novembro de 2014

0

Mistério de nuvem cósmica "monstro" dizem Cientistas



A G2 foi estendida pela gravidade do buraco negro central

  • A G2 foi estendida pela gravidade do buraco negro central
Observações de um confronto cósmico entre uma enorme nuvem de gás e o buraco negro no centro da galáxia têm gerado debate entre astrônomos.

Um estudo sugere que a nuvem, chamada de G2, seria, na verdade, um par de estrelas que se fundiram em uma muito maior. Cientistas chegaram a esta conclusão depois de observarem que a G2 sobreviveu a uma aproximação ao buraco negro da Via Láctea, conhecido como Sagitário A* (Sgr A*).

"Uma nuvem de gás não faria isso", disse a professora Andrea Ghez, da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), co-autora da pesquisa na publicação científica Astrophysical Journal Letters.

Mas outros astrônomos não estão tão seguros, e sugerem que uma nuvem de gás mais compacta ainda é compatível com as descobertas.

A partir de uma certa distância, nada pode escapar da atração de um buraco negro, nem mesmo a própria luz.

Astrônomos já tinham visto a G2 ser esticada como um fio de espaguete pelo campo gravitacional extremo do buraco negro. Por um longo período de tempo, esperava-se que cerca de metade da nuvem fosse engolida, com o restante arremessado no espaço pelo Sgr A*.

A aceleração da matéria na nuvem detonaria uma chuva de raios-X - os aguardados fogos de artifício celestes - que ajudaria os astrônomos a entender mais sobre o nosso buraco negro.

Mas o professor Ghez explicou que a nuvem teria sido "completamente inafetada pelo buraco negro; sem fogos de artifício".

Mecanismo de camuflagem

A equipe propôs uma explicação alternativa para a G2 com base no estudo detalhado da nuvem com os enormes telescópios ópticos e infravermelhos do Observatório Keck, no Havaí.

Na opinião deles, o objeto é, de fato, melhor explicado como sendo um par de estrelas - um sistema binário - que tinha orbitado o buraco negro. As estrelas, então, se fundiram para formar uma estrela extremamente grande envolta em gás e poeira.

Mas Stefan Gillessen, do Instituto Max Planck para Física Extraterrestre, em Garching, na Alemanha, e que não esteve envolvido no estudo recente, sustenta que a interpretação original da G2 pode ser mantida. Gillessen liderou a equipe que detectou a nuvem vermelha se aproximando da Sgr A*, relatando sua descoberta na publicação científica Nature em 2012.

"Os fatos observacionais são claros, eu acho: há gás, o que mostra uma bela evolução das marés, como testemunhado nas velocidades radiais. E há emissão de poeira, que parece ser compacta", disse Gillessen à BBC.

Ghez e seus colegas sugerem que o objeto recém-formado, no final, se parecerá com as maciças jovens estrelas que estão firmemente agrupadas em torno do buraco negro da Via Láctea - as chamadas estrelas S.

Eles também propõem que a influência gravitacional do buraco negro poderia fazer com que fusões de estrelas binárias sejam mais prováveis ao aumentar a excentricidade de suas órbitas.

←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Múmia descoberta no Peru pode mesmo ser alienígena

Documento Oficial relatos 25 anos antes do caso ET de Varginha

Sunrise Time-lapse from the International Space Station (ISS)



Linda imagem da Estação Espacial !!!

Peruíbe, no litoral de São Paulo, seria alvo frequente de 'ovnis'

Ufólogos de diversos cantos do país visitam a cidade que possui inúmeros relatos de aparições de objetos voadores não identificados (ovnis). Alguns cientistas têm explicações para o fato de a cidade 'atrair supostos ETs'. Fonte: http://mais.uol.com.br/view/dsirb7h509tj/peruibe-no-litoral-de-sao-paulo-seria-alvo-frequente-de-ovnis-0402CD1C3466D4B15326?types=A&

Visão abordo Estação Espacial Internacional - NASA