sábado, 12 de maio de 2012

0

Telescópio Spitzer capta luz de super-Terra



Telescópio Spitzer detecta luz de super-Terra


O telescópio espacial Spitzer detectou pela primeira vez a luz proveniente de uma "super-Terra", um planeta fora do nosso sistema solar.
Segundo nota emitida pela NASA, embora o planeta não seja habitável, essa detecção direta é um passo histórico para a busca de sinais de vida em outros planetas.
Em 2010, cientistas já haviam conseguido captar pela primeira vez o espectro eletromagnético de um exoplaneta, usando os telescópios do Observatório Europeu do Sul (ESO).


Mas o exoplaneta agora observado pelo Spitzer, chamado 55 Câncer, já havia feito história: em 2002, ele se tornou o primeiro sistema planetário comparável do nosso Sistema Solar a ser descoberto. Observações adicionais, feitas em 2011, indicavam que o exoplaneta poderia ter a densidade do chumbo.


Super-Terras

O exoplaneta pertence a uma classe de planetas chamados super-Terras.
Não há nenhum planeta no Sistema Solar que se pareça com uma super-Terra: eles são mais massivos que a Terra, mas mais leves do que os planetas gigantes, como Netuno.
O 55 Câncer é apenas duas vezes maior, mas pesa oito vezes mais do que a Terra.

O exoplaneta orbita sua estrela em apenas 18 horas.
Anteriormente, o Spitzer e outros telescópios já vinham estudando o exoplaneta através da análise de como a luz da sua estrela se altera quando o planeta passa à sua frente.
Já se conhecem com segurança cerca de 70 super-Terras, mas o telescópio Kepler já detectou centenas de candidatos, que precisam ser confirmados por novas observações.


Detecção de calor

Agora, o telescópio conseguiu medir a quantidade de luz no comprimento de onda do infravermelho - essencialmente calor - que vem do próprio planeta.
Os resultados mostram que o planeta provavelmente tem uma aparência escura, e seu lado permanentemente voltado para sua estrela tem uma temperatura de mais de 2.000 Kelvin (1.726,6 ºC), quente o suficiente para derreter metal.

As novas informações são consistentes com a teoria anterior de que 55 Câncer é um mundo de água: um núcleo rochoso coberto por uma camada de água em estado supercrítico - um estado simultaneamente líquido e gasoso - e coberto por um manto de vapor.


Fazendo as contas

A "visualização direta da luz" do exoplaneta não se parece em nada com uma fotografia - ao menos por enquanto.
As observações geraram um gráfico que mostra como a radiação infravermelha do sistema 55 Câncer - a estrela e o planeta - mudou quando o planeta passou por trás da sua estrela, um fenômeno chamado ocultação.

Quando o planeta desapareceu, a luz total caiu. Depois, ao dar a volta na estrela e "reaparecer", os níveis de radiação infravermelha captada pelo telescópio retornaram aos níveis normais.
Fazendo as contas entre os dois níveis de energia captada chegou-se à quantidade de radiação que vem diretamente do próprio planeta.
Este tipo de informação é importante para estudar as temperaturas e a composição de atmosferas planetárias distantes.

Fonte da Matéria : http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=luz-super-terra&id=010130120509



←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Múmia descoberta no Peru pode mesmo ser alienígena

Documento Oficial relatos 25 anos antes do caso ET de Varginha

Sunrise Time-lapse from the International Space Station (ISS)



Linda imagem da Estação Espacial !!!

Peruíbe, no litoral de São Paulo, seria alvo frequente de 'ovnis'

Ufólogos de diversos cantos do país visitam a cidade que possui inúmeros relatos de aparições de objetos voadores não identificados (ovnis). Alguns cientistas têm explicações para o fato de a cidade 'atrair supostos ETs'. Fonte: http://mais.uol.com.br/view/dsirb7h509tj/peruibe-no-litoral-de-sao-paulo-seria-alvo-frequente-de-ovnis-0402CD1C3466D4B15326?types=A&

Visão abordo Estação Espacial Internacional - NASA